Blog

02/08/2022

O que entra no cálculo do frete?

Nos primeiros contatos com uma empresa de logística, uma das principais dúvidas é como é feito o cálculo do frete. Existem diversos tipos de cálculos que levam em conta diferentes fatores, o que pode deixar o processo confuso. Por isso, vamos explicar neste artigo os diferentes critérios usados no mercado de logística.

 

Frete peso

 

Esse tipo de cálculo leva em conta o peso bruto ou o tamanho da carga, visando quanto espaço ela vai ocupar no veículo, chamado de peso cubado. Usa-se o maior valor entre os dois: se o peso cubado é maior que o peso físico, é ele que entra no cálculo. 

 

O objetivo é fazer uma cobrança justa, visto que alguns produtos podem ocupar bastante espaço e ter um peso menor do que outros, e otimizar cada viagem, usando a capacidade do veículo de modo inteligente e favorecendo a logística.

 

Frete Valor ou Ad Valorem

 

Baseado no valor total da nota fiscal, o Frete Valor é parte da quantia cobrada no frete e é constituído pelos seguros de carga, contratados para que, em casos de acidente ou extravio com a mercadoria, os seguros paguem o prejuízo.

 

Distância percorrida

 

Esse fator é aplicado a todos os tipos de transporte. Dado o consumo de combustível e maior risco de danos ao veículo, o valor é proporcional à distância percorrida.

 

Tipo de carga

 

Se a carga do seu negócio precisa de um cuidado especial no transporte, isso também reflete no valor final do frete. Materiais delicados, perecíveis ou que podem quebrar com facilidade exigem uma equipe capacitada, veículos próprios e seguros especiais, e devem entrar no cálculo.

 

Tipo de entrega 

 

Se a entrega também exigir um processo diferenciado, seja pela dificuldade de acesso ou possíveis intercorrências no trajeto, também impactará no valor da entrega.

 

Taxas e pedágios

 

Abaixo elencamos algumas siglas de taxas que podem aparecer no cálculo para a sua empresa. Além disso, os pedágios presentes no percurso também são incluídos no valor total do serviço.

 

- Frete mínimo: se para a sua carga não chegar a um valor que cubra o custo mínimo de transporte, cobra-se esse valor;

 

- Reentrega: taxa referente a novas tentativas de entrega caso o destinatário não consiga receber os produtos na primeira tentativa;

 

- Dificuldade na entrega (TDE): valor cobrado em caso de dificuldade de recebimento do destinatário;

 

- Taxa de restrição de trânsito (TRT):cobrada em caso de restrições municipais de veículos de carga nos locais de entrega;

 

- Gerenciamento de Risco e Segurança (GRIS):  o GRIS destina-se a cobrir os custos inerentes a gerenciamento de risco, em especial das cargas que estão sujeitas a roubo, furto ou sequestro de veículo. Dependendo do tipo de carga, a taxa pode acabar sofrendo um acréscimo ou diminuição no valor.

 

Ficou com alguma dúvida? Nós da Logber prezamos pela transparência em cada etapa do nosso serviço, da cotação à entrega no destino final. Acreditamos que o atendimento personalizado unido à tecnologia fazem a diferença.

 

Acesse o site e saiba mais!

 

A gente leva.

A gente cuida.

 
Voltar Quero fazer uma cotação